Centro Budista Jardim do Dharma

Jardim do Dharma é o nome em português do centro fundado em 1993 pelo Ven. Lama Trinle Drubpa e pelo Prof. Roque Enrique Severino (Naljorpa Karma Zopa Norbu), representando as Gloriosas Linhagens Karma Kagyu e Shangpa Kagyu do Budismo dos Himalaias.

PALESTRAS DO LAMA NAWANG TSULTRIM  COM ENTRADA FRANCA EM SAO PAULO

PALESTRAS DO LAMA NAWANG TSULTRIM COM ENTRADA FRANCA EM SAO PAULO

  • 17 de Janeiro de 2020

    ORGANOGRAMA DAS PALESTRAS

    Tudo o que fazemos envolve o uso do corpo, da fala e da mente. Destes três, o corpo e a fala não podem fazer qualquer atividade por si mesmos; é a mente que determina tudo o que fazemos e dizemos.
    Se dermos liberdade à mente, ela apenas dará surgimento a mais e mais ações negativas, e é por isto que todos nós comprovamos em nossas vidas e nas vidas dos nossos amigos como a depressão, o esgotamento e as frustrações, minam as nossas energias, aumentando assim a as possibilidades de contrairmos inúmeras doenças tanto físicas como emocionais.
    Nesta na sua nova visita ao Jardim do Dharma o Venerável Lama Nawang estará compartilhando com a sua alegria e ternura de sempre preciosas ferramentas que, aplicadas ao nosso dia a dia, irão nos ajudar a transformar de forma permanente os estados angustiantes que contaminam a nossa psique
    Realmente Imperdível!!! 

     

    LOCAL: RUA JOSE MARIA LISBOA 612 SALA 7 - ESQ. COM A RUA PAMPLONA - JARDINS -

    ORGANOGRAMA

    SEXTA FEIRA 17 DE JANEIRO AS 19.30HS
    TEMA: RENUNCIANDO AO SOFRIMENTO - O Caminho da liberdade interior.

     

    Em geral, todos os seres vivos, não apenas os humanos”, “são os mesmos que buscam a felicidade e desejam evitar o sofrimento. Somos todos como viajantes em um grande navio, e podemos ser velhos ou jovens, ricos ou pobres, bonitos ou não.  Não importa quão diferentes as nossas formas físicas possam ser do exterior, somos todos iguais no interior: os nossos sentimentos de felicidade e sofrimento são os mesmos e o nosso desejo de felicidade e o nosso desejo de evitar o sofrimento são os mesmos. Como todos os passageiros de um barco, o caminho que estamos seguindo e o objetivo que buscamos são idênticos. ”

    No entanto, temos um problema: A principal dificuldade é que queremos felicidade, mas não sabemos sua causa nem como criá-la. 
    Desejamos estar livres do sofrimento, mas não sabemos sua causa ou como removê-la. 
    Encontramos dificuldades porque o que desejamos e o que praticamos contradizem-se: buscando a felicidade superficial, criamos as causas do nosso próprio sofrimento.  De outra perspectiva, você poderia dizer que o que queremos não está em harmonia com a maneira como as coisas realmente são.
    “Por exemplo, ficamos doentes e não queremos ficar doentes, mas não sabemos a causa de nossa doença, e o resultado - esse sofrimento doloroso - não cessa. E apenas querer estar livre do sofrimento não é suficiente.

     

    SEXTA FEIRA 24 DE JANEIRO AS 19.30HS 
    TEMA: O EGO E OS CINCO VENENOS DE NOSSA MENTE
    Como as emoções aflitivas destroem a nossa vida diária

     

    Nossa mente é fundamentalmente infinita, não é limitada pelas opressões de uma existência individualizada. Não existe ego. Conquanto ele não exista, nós nos apegamos a esse ego ilusório. Ele é o centro e a pedra de toque de todas as nossas relações: tudo o que reconforta sua existência, tudo o que lhe é favorável, torna-se objeto de apego; tudo o que, ao contrário, ameaça sua integridade torna-se inimigo, fonte de aversão. Por sinal, a simples presença do ego oculta a verdadeira natureza de nossa mente e dos fenômenos, torna-nos incapazes de discriminar entre o real e o ilusório. Somos, nesse sentido, prisioneiros da opacidade mental [ignorância]. O ego também engendra a inveja em relação a toda pessoa considerada como um rival possível, em qualquer domínio que seja. Enfim, o ego deseja ser superior aos outros; é o orgulho.  Apego, aversão, opacidade mental, inveja, orgulho são os cinco venenos de base produzidos pela apreensão egocêntrica.

     

    SEXTA FEIRA 31 DE JANEIRO– AS 19.30HS.
    TEMA: O MEDO -  E como nos libertar dele -

     

    Durante a nossa existência encaramos basicamente dois tipos de medo:
    O medo de não obter o que não desejamos. O medo de não sermos capazes de eliminar o perigo, o desafio ou circunstancias dolorosas a nos.
    Estes dois elementos básicos engendram os 8 grandes medos, a Mae Libertadora nos ajuda a libertar-nos destes medos que são:

    OS OITO GRANDES MEDOS
    O medo do sofrimento causado pelos acidentes físicos.
    O medo  do sofrimento causado pela arrogância e o ódio,
    O medo do sofrimento causado pelos ciúmes que origina todo tipo de suspeitas e brigas. 
    O  medo do sofrimento causado pela agressão física e verbal.
    O  medo de perder os seres queridos por causa do consumo de drogas e todo tipo de entorpecentes.
    O medo dos ladrões e os criminais 
    O medo causado pelas prisões sejam elas físicas ou mentais. 
    O medo causado pela influencia de espiritos obsessores e fantasmas.

     

    SEXTA FEIRA 07 DE FEVEREIRO – AS 19.30HS
    TEMA: A FELICIDADE SURGE DE UMA MENTE CONTROLADA.

    Usando nossa mente de maneira mais concentrada e controlada. O que incomoda a mente pode ser removido com a meditação para que nossa mente possa existir em sua pureza natural. .   A natureza positiva ou negativa de nossa mente se reflete nas aparências exteriores que nossa própria mente nos envia.
    Por exemplo: quando você está muito triste e olha para alguma coisa, você a perceberá como algo triste ou desagradável.  Se você olha para o mesmo objeto quando está alegre, você verá a mesma coisa como agradável.  E se você o olhar quando está com raiva, você novamente verá esse objeto de forma inteiramente diferente. Esse é um exemplo muito simples de como  a manifestação exterior é uma resposta à qualidade de nosso mundo interior.
    A felicidade que desejamos não virá da restruturação do mundo que nos cerca, mas da reforma de nosso mundo interior.  O indesejável sofrimento só cessará na medida em que libertemos a nossa mente de todos os tipos de negatividades.  Enquanto não reconhecermos que felicidades e sofrimentos têm sua origem em nossa própria mente, permaneceremos impotentes para estabelecer um estado de felicidade autêntica e  impotentes para evitar as contínuas ressurgências do sofrimento.  Qualquer que seja nossa esperança, ela sempre será frustrada. 

     


  • Investimento:

    ENTRADA FRANCA


  • Observações:

Formulário de Inscrição

* campos obrigatórios