Jardim do Dharma
topo

 

MATÉRIA PUBLICADA EM 15/12/2011

 

Lançamento

Manual de Budismo é um norte para quem quer se aprofundar nos ensinamentos.

 

Por Sonielson Sousa - Jornal O GIRASSOL

sonielson.ogirassol@uol.com.br

 

Imagem de Budha em tradicional postura meditativa

Foto: Reprodução da Internet

 

O Budismo é conhecido por seu enfoque nos aspectos práticos, sem que o discípulo/estudante esqueça de se aprofundar na filosofia que permeia toda a abordagem. A equanimidade, um dos pontos-chaves da escola do caminho do Meio, remete para que não se negligencie esses dois aspectos, ou seja, a teoria e a prática, o conhecimento intelectual e a técnica devem literalmente andar juntas. Aprimorando-se por esse caminho, acredita-se, o praticante desenvolve a tão almejada sabedoria. Junte-se a isso a compaixão, e pronto! Há aí um forte indício de que realmente se está trilhando o caminho do Budha.


Pensando nisso, o Lama Zopa Norbu (professor Roque Enrique Severino), diretor para São Paulo do Jardim do Dharma (Centro de Estudos e Prática do Budismo Vajrayana da linhagem Karma Kagyu), acaba de compilar um manual com o que há de mais relevante, em sua opinião, tendo por base os ensinamentos de mestres de várias tradições.

Trata-se de um verdadeiro guia que explica, de forma geral, desde a tomada do refúgio, quando o discípulo se compromete perante as Três Jóias (o Budha, o Dharma e o Sangha) a não descansar enquanto não atingir a iluminação para o benefício de todos os seres, passando pela história do Budismo Tibetano e sua aproximação com a tradição Bön, até as orientações mais elaboradas e deixadas para todos através dos mantras.

Perguntado sobre o que lhe inspirou a compilar tal material, Zopa Norbu diz que o objetivo é contribuir para que o aluno possa estudar os temas em profundidade, já que o grande problema é fazer com que as pessoas entendam o verdadeiro significado do que é abordado no Dharma (o corpo de instruções no budismo). “Um professor que não estimula os alunos a estudarem certamente é porque já lhes oferece todas as respostas, e isso, de certa forma, pode desencadear uma relação nociva, de domínio. Neste manual, o leitor terá ao menos uma boa base para iniciar algum tipo de treino”, garante o Lama, que irá distribuir a compilação gratuitamente.

     
Debate
Por ter tradição oral e de fomento aos debates, o Budismo Vajrayana é bem recebido no ocidente. Como o próprio Dalai Lama falou em sua recente visita ao Brasil, em setembro último, o Budismo Tibetano remonta à universidade de Nalanda (situada na Índia e destruída pelos mulçumanos há vários séculos), onde era comum uma tese ser discutida à exaustão, uma prática que mais recentemente lembraria a dialética de Marx. No entanto, de acordo com o lama Zopa, o que se vê no Brasil, ainda, é uma introdução a todo esse profundo conhecimento e mística. “O Budismo Vajrayana ainda não é totalmente apresentado aos ocidentais. O que se observa de forma geral é a aparência externa, as cores, as pinturas e os rituais elaborados. O aluno tem que ficar atento, pois em 1980 os grandes lamas que vieram ao ocidente (Europa e América, não ao Brasil) e o próprio Dalai Lama retiraram das livrarias todos os livros publicados, pois perceberam o grande erro que foi cometido em mostrar o Tantra para pessoas completamente desqualificadas”, alerta o Lama, numa clara demonstração de que a orientação no trantrismo (o Budismo Vajrayana também é chamado de Budismo Tântrico) requer muito mais do que um mero ritual bem elaborado.

Fé e o budismo
A fé muitas vezes está associada à ausência de questionamentos, o que faz com que algumas pessoas desenvolvam a chamada “fé cega”; no budismo, procura-se despertar o praticante para uma visão ampla, onde o questionamento respeitoso é sadio. Neste manual, diz Zopa Norbu, “o mais importante é que as pessoas possam ter acesso aos ensinamentos dos grandes mestres antes de começar a treinar alguma coisa”, e pontua que a “fé cega somente cria sectarismo que surge da arrogância extrema”.

Zopa Norbu diz que o mais importante é estudar o veículo base – ou hinayana – antes de se adentrar em algo mais profundo, e se lembra de uma experiência que teve em sua juventude, em Buenos Aires: “Em 1970 tive a enorme sorte de encontrar um senhor japonês mestre de Judô. Ele dava aos seus alunos os primeiros ensinamentos sobre o Dharma. Um dia eu apareci com um livro de D. Susuki - A Doutrina Zen do Inconsciente - e comecei a lhe perguntar um monte de asneiras. Ele me escutou pacientemente e após eu concluir todas as perguntas, ele questionou: - Roque, você conhece sobre o Bramanismo? - Eu lhe respondi que não. E ele prosseguiu: - Você conhece sobre o Budismo Ortodoxo? – E mais uma vez eu lhe respondi que não. Ele olhou para mim e questionou: - Você conhece sobre o Hinayana e o Mahayana? - Eu também lhe respondi que não. Então ele parou e me olhou fixamente para dizer: - Se você não conhece sobre o Bramanismo, o budismo hinayana e mahayana, como espera entender algo sobre o Zen?”. A partir desta história real de vida, o Lama Zopa finaliza ao dizer que, hoje, fala para todos os seus alunos que é preciso ter uma base sólida do Budismo para que estes possam, depois, se dedicarem ao Vajrayana, “senão será uma pura perda de tempo”. (Por Sonielson Luciano de Sousa)

     
Como adquirir
VERSÃO IMPRESSA: http://dragaodosol.com.br/ManualBudismoImpr.php

VERSÃO EBOOK: http://dragaodosol.com.br/ManualBudismo.php

 

 

 

Jardim do Dharma - Kagyü Dak Shang Chöling
ACESSE TAMBÉM:
Site SBTCC

Instale em seu celular ou tablet o aplicativo do Jardim do Dharma e receba atualizações
CLIQUE AQUI

Encontrou problemas no site? Por favor, CLIQUE AQUI e nos informe.
Ou mande um email para secretaria@jardimdharma.org.br

Este site é melhor visualizado em 1280 x 960